Shelley Duvall, atriz de “O Iluminado”, morre aos 74 anos

A artista faleceu perto de seu aniversário em Blanco, Texas. Relembre o início e a consolidação da carreira da atriz que marcou o cinema.


A atriz Shelley Duvall, famosa por seu papel no clássico filme de terror “O Iluminado”, faleceu aos 74 anos em Blanco, Texas, devido a complicações decorrentes do diabetes. A notícia foi confirmada por seu marido, Dan Gilroy, ao The Hollywood Reporter e à Variety.

Homenagens e Recordações

Minha querida, doce e maravilhosa companheira de vida e amiga nos deixou. Ela sofreu muito ultimamente, agora está livre. Voe para longe, linda Shelley,” disse Gilroy ao The Hollywood Reporter.

Scott Goldberg, diretor que trabalhou com Duvall em seu último filme “The Forest Hills” de 2023, expressou suas condolências à PEOPLE: “Shelley deixa um legado incrível e fará falta a muitas pessoas, inclusive a mim. Estou orgulhoso dela por superar as adversidades para atuar novamente e sempre serei eternamente grato por sua amizade e gentileza.

Início de Carreira e Ascensão ao Estrelato

Shelley Duvall nasceu em 7 de julho de 1949, em Fort Worth, Texas. Inicialmente interessada em seguir carreira nas ciências, Duvall foi descoberta por três membros da equipe do filme “Brewster McCloud” (1970), dirigido por Robert Altman, durante uma festa em Houston. Isso levou à sua primeira aparição na tela, iniciando uma longa colaboração com Altman em filmes como “McCabe & Mrs. Miller” (1971), “Thieves Like Us” (1974) e “Nashville” (1975).

Em 2023, Duvall relembrou à PEOPLE um elogio especial de Altman: “Depois de ‘Thieves Like Us’, Robert olhou para mim e disse: ‘Eu sabia que você era boa, mas não sabia que você era ótima.’ É a razão pela qual persisti e me tornei atriz.

Consagração em “O Iluminado” e Além

Nos anos 70, Duvall apareceu em mais de uma dúzia de filmes e programas de televisão, incluindo “Annie Hall” (1977). No entanto, foi em “O Iluminado” (1980), dirigido por Stanley Kubrick, que Duvall alcançou fama mundial. O filme, baseado no romance de Stephen King, foi notório pelo rigor nas filmagens, incluindo um recorde mundial do Guinness para o maior número de refilmagens de uma cena com diálogo.

[Kubrick] não imprime nada até pelo menos a 35ª tomada” disse Duvall ao The Hollywood Reporter em 2021. “Trinta e cinco tomadas, correndo, chorando e carregando um garotinho, fica difícil” compartilhou a atriz que também contou que, para entrar no clima certo da atuação, ouvia músicas tristes ou pensava em momentos dolorosos de sua vida.

Carreira como Produtora e Saída dos Holofotes

Após o sucesso de “O Iluminado”, Duvall continuou a atuar e também se dedicou à produção, criando séries de antologia infantil como “Tall Tales & Legends” e “Faerie Tale Theatre”, que lhe rendeu um prêmio Peabody em 1984.

Duvall deixou os holofotes no início dos anos 2000, após o lançamento de “Maná do Céu” (2002). Em 2016, sua aparição no programa “Dr. Phil” gerou controvérsias devido à exploração de suas lutas com a saúde mental.

Em 2023, Duvall fez seu retorno ao cinema com o filme independente “The Forest Hills”, filmado remotamente sob a direção de Scott Goldberg.

Vida Pessoal e Legado

Duvall foi casada com o artista Bernard Sampson de 1970 a 1974 e, posteriormente, namorou o músico Paul Simon antes de iniciar um relacionamento com Dan Gilroy no final dos anos 80.

Shelley Duvall deixa um legado duradouro no cinema e na televisão, sendo lembrada por sua contribuição inestimável à arte e por sua perseverança em face das adversidades.

Foto Destaque: Shelley Duvall em Paris (Reprodução/Jean-Claude Deutsch/Getty Images Embed)

Share this content:

Publicar comentário